Pele ressecada é mais propensa a ter estrias

As estrias são muito temidas pelas mulheres, uma vez que para aparecem é em um piscar de olhos, mas depois para sair, não é bem assim. Mas o que fazer para evitar que elas apareçam?

É comum ter estrias na gravidez, pois com o aumento de peso e as fibras de colágeno e elastina da pele acabam se rompendo, principalmente quando o tecido está muito seco. Mas não é só nas gestantes que as estrias costumam aparecer, pois os adolescentes quando crescem repentinamente também são propensos ao aparecimento das estrias deixando uma cicatriz feia que ninguém gosta.

Porque as estrias aparecem?

O aparecimento das estrias tem grande influencia genética, ela costuma aparecer em partes do corpo mais específicas como: barriga, coxas, atrás dos joelhos e glúteos. Mas não é só por fatores genéticos que elas aparecem, pessoas que costumam emagrecer e engordar fazem o conhecido, efeito sanfona. Por mais que a pele seja elástica ela não aguenta tanta inconstância e acaba rompendo promovendo uma cicatriz que começa na cor vermelha e depois fica branca. Quando ela ainda está no estágio vermelho é sinal de que há irrigação de sangue e ainda pode reverter o quadro.

Pele ressecada é mais propensa a ter estrias

Hidratação é fundamental

Talvez você já tenha ouvido falar que tem que hidratar o corpo para que a pele se mantenha jovem e bonita, não é mesmo? Mas a hidratação não consiste em apenas beber líquido, é necessário tomar no mínimo dois litros de água por dia e usar cremes hidratantes a base de óleos como de amêndoa doce, semente de uva, de rosa mosqueta, em fim o mercado oferece uma infinidade de produtos que promovem hidratação intensa na pele. O vento, poeira, sol, sabonete, entre outros podem ressecar a pele. Cuide de sua pele usando produtos de qualidade e beba muita água, assim você vai garantir beleza e jovialidade por muito mais tempo a sua pele.

Melhores tratamentos para estrias

Existem inúmeros tratamentos que prometem acabar de vez com as estrias. Mas, segundo alguns dermatologistas mais antenados associar as técnicas com a cor e o aspecto das estrias é o que garanti a eliminação de 80% delas. Existe três tipo de estrias: as vermelhas ou arroxeadas; as brancas, superficiais e estrietas; e ainda as brancas, profundas e largas. As vermelhas ou arroxeadas são mais fáceis de tratar, pois são recentes- a cor indica que o tecido não foi totalmente prejudicado e há sangue circulando no local. Quando elas se tornam brancas, o tratamento, para dar bons resultados, precisa agredir a pele para que ela reaja produzindo mais colágeno e elastina, que é necessária para cicatrização interna das estrias. E as mais largas e profundas há necessidade de métodos mais invasivos para o preenchimento dessas linhas de dentro para fora.

Logo abaixo, algumas das técnicas mais promissoras e daquelas que já provaram ser eficazes. Essas técnicas não são indicadas para gestantes, lactantes e para quem tem diabetes, hipertensão e problemas cutâneos.

Pele ressecada é mais propensa a ter estrias

  • Tratamento para estrias brancas, largas e profundas

Laser fracionado + subcisão

O tratamento começa com duas ou três sessões de laser fracionado, que promove microperfurações na pele, destruindo e aquecendo as fibras de sustentação. A função é melhorar a textura e alisar a pele. Quando os hematomas tiverem desaparecido – em cerca de 15 dias -, é feita a subcisão, um método cirúrgico ambulatorial que utiliza uma agulha com ponta cortante para descolar a derme profunda, traumatizando-a. “Isso estimula a formação de colágeno e recupera parcialmente a estria. Como o corte é pequeno, não há necessidade de pontos”. Número de sessões: entre 3 e 5 de laser, a cada 15 dias, e 1 ou 2 de subcisão, com intervalo de 60 dias.

  • Tratamento para estrias brancas, superficiais e estreitas

Radiofrequência: durante meia hora, as ondas disparadas pela ponteira desse equipamento atingem e aquecem a camada mais profunda da pele. “Consequentemente, há contração e aumento das fibras de colágeno, a reorganização dos tecidos de sustentação e a aproximação das bordas das estrias”. Número de sessões: entre 8 e 16, com intervalo de três semanas.

Laser fracionado: feixes de luz são direcionados para a estria e penetram a pouco mais de 1 milímetro de profundidade na pele. “Nesse ponto, a energia estimula a produção de colágeno e elastina preservando boa parte das células, o que acelera o processo de cicatrização”. Números de sessões: de 4 a 5, com intervalos de um mês. Número de sessões: quinze, com intervalos de 1 semana.

Carboxiterapia: “Um equipamento injeta gás carbônico no tecido subcutâneo para dilatar os vasos sanguíneos e estimular a formação de colágeno, preenchendo as estrias de dentro para fora”. Número de sessões: doze, uma por semana.

porque aparecem as estrias

 

  • Tratamentos para estrias vermelhas e arroxeadas

Infravermelho + Ácido retinoico: um aparelho com ponteira de cristal dispara raios infravermelhos que aquecem as camadas mais profundas da pele, provocando a sua retração e produzindo mais fibroblastos, que são as células formadoras do colágeno e da elastina. “Meia hora depois é aplicado o ácido retinoico, que também estimula o aumento das fibras de sustentação da pele’. Número de sessões: no mínimo três, uma por mês.

Peeling de cristal + Ácido retinoico: os dois tratamentos são feitos na mesma sessão. “Primeiro, vem o peeling de cristal, que libera jatos de pó de óxido de alumínio para esfoliar e facilitar a penetração do ácido retinoico, que descama a pele e estimula a produção de colágeno”. Número de sessões: de 15 a 20, com intervalo de 10 dias.

Vitamina C + Luz intensa pulsada: a vitamina C a 22% é injetada com uma agulha fininha na camada superficial da pele. “O ativo age nos vasos que dão a coloração avermelhada às estrias e estimula a aproximação das bordas, deixando-as menos visíveis”, diz Patrícia Rittes. Em seguida, durante meia hora, entra em ação o equipamento de luz intensa pulsada. Ele tem uma ponteira que dispara uma energia que promove a contração da derme auxiliando o afinamento das linhas. Número de sessões Dez de vitamina C, uma a cada 15 dias, e quatro de luz pulsada, com intervalo de três semanas.

Faça um Comentário