Auto estima é a maior aliada da saúde das mulheres

Auto estima é a maior aliada da saúde das mulheres. Ela age no organismo como uma vacina. Isso mesmo, se a mulher esta de bem consigo mesma e com a sua aparência, não tem por que ficar doente. Quando ela esta em alta é como se nada pudesse atingir, nem mesmo os declives prolongados e tropeços que a vida oferece.

O organismo reage de maneira mais acentuada trabalhando o corpo e a mente para enfrentar todos os tipos de problemas de maneira positiva sem que nada afete. A mulher é a única responsável por si mesma, por suas ações e pelo seu corpo. Portanto quanto mais ela se amar e gostar do que vê na sua imagem refletida no espelho, mais saudável ela se sentirá.

Estudos concluíram que as doenças que atacam as mulheres em geral é quando elas estão com a imunidade baixa, ou seja, sua auto estima esta fraca. Por incrível que pareça a imunidade tem muito a ver com a auto estima, portanto é importante observar os sinais que o corpo emite e prestar mais atenção ás emoções, aos limites, principalmente quando o organismo pede um descanso, um alimento ou até mesmo um movimento. Tudo isso é indispensável para que o corpo permaneça saudável. É costume dizer que coisas negativas se atraem, portanto estar com a autoestima baixa vai fazer você cometer erros em todos os sentidos.

Auto estima

Auto estima (imagem: Divulgação)

Dar um passo em falso, escolher pessoas erradas, lugares errados e desagradáveis para estar, faz parte da negatividade de quem esta com a auto estima baixa. É como se o corpo fosse uma bola de neve cheia de negatividade e tudo que é feito esta em desacordo com o seu bem estar. A maioria das pessoas não consegue perceber o que é auto estima e acabam confundindo com ego em alta ou orgulho em demasia. A auto estima tem tudo a ver com a paz interior, bons pensamentos, tranquilidade e uma percepção especial de sentir o seu eu, sentir a sua própria presença.

Se você nunca sentiu esses sentimentos, então esta na hora de tirar um tempo e ficar sozinha analisando a sua vida, só com os seus pensamentos e perceber o seu corpo com um pouco mais de sensibilidade. Aproveite esse tempo para organizar as suas coisas, colocando fora o que não usa mais e que não interessa. Ficar consigo mesma vai fazer bem e é um excelente caminho para fazer as pazes com você mesma. Experimente e sinta-se, sinta como você é e como gostaria de ser. Essa pode ser a hora da mudança, confie, acredite e seja feliz.

Danças que melhoram a auto estima e a saúde

A baixa auto estima gera ansiedade, medo, depressão, fobias e uma série de outros transtornos psicológicos, isso acaba impedindo o indivíduo de se relacionar com outras pessoas, até mesmo praticar uma atividade física. A baixa auto estima geralmente está relacionada ao sobre peso. Se você praticar uma atividade física e alcançar seu objetivo e mesmo assim sua autoestima continuar baixa e outros sintomas persistirem, recomenda-se consultar um médico especializado para ele orientar qual o melhor tratamento a seguir. Mas temos que escolher uma atividade que nos agrade para não desistirmos. Se você não gosta da monotonia da musculação ou esteira, talvez você deva gostar da dança. Por ser uma atividade em grupo, dinâmica e divertida, a dança faz com que muitas vezes nem percebemos o tempo passar e os resultados de emagrecimento poderão ser fantásticos.

Tipos de dança

A variedade é tanta que você pode escolher a modalidade de dança que mais gosta e que mais se ajusta aos seus objetivos.

Bolero

Ritmo mais lento, de raízes espanholas, trabalha as pernas, mas sempre com pouco impacto sobre as articulações. É uma dança romântica que nos últimos anos vem ganhando novo formato, incrementado com mais giros e rodopios.

Auto estima

Auto estima (imagem: Divulgação)

Dança do ventre

Essa dança, que surgiu na região do Oriente Médio e da Ásia Meridional, é muito sensual. Trabalha mãos, braços, quadris, peito, ombros, costas e especialmente o abdômen.

Dança contemporânea

Dança que utiliza técnicas de chão, flexibilidade, quedas, saltos e giros. Ela surgiu na década de 1970 inicialmente como uma espécie de negação aos conceitos do balé clássico. A dança contemporânea trabalha o corpo inteiro, podendo utilizar acessórios variados. As músicas também trazem ritmos diversos.

Dança de salão

Nada mais é do que a mistura de diversos ritmos tradicionais como o samba de gafieira, forró, bolero, zouk etc.

Danças que queimam em média 350 calorias

A dança é excelente para queimar calorias, mas também para tonificar os músculos e melhorar a sua saúde em geral.

Axé

Nascida no Nordeste brasileiro por volta da década de 1980, essa dança traz influências africanas. As músicas e as coreografias são bem agitadas, exigindo flexibilidade, rebolado e energia para pular muito.

Balé clássico

Nascido na Europa, no século 15, o balé usa muitos saltos, giros e movimentos complexos. Além de ser uma atividade aeróbica, ainda ativa a musculatura localizada. A modalidade trabalha pés, pernas, postura, braços, além da capacidade de equilíbrio e flexibilidade.

Flamenco

Essa dança de origem cigana trabalha mãos, braços, panturrilhas, coxa e pés. Os movimentos são fortes e sensuais e também utiliza-se acessórios como leques e castanholas.

Sapateado

Os pés são personagem principal dessa dança, que também trabalha pernas, braços e abdômen. Utiliza vários estilos de música, das agitadas às lentas.

Zumba

Mistura de vários ritmos como salsa, merengue, funk, hip-hop.

Queimam em média 450 calorias.

Forró

Modalidade muitas vezes trabalhada durante aulas de dança de salão, o forró tem diversas variações, que vão do universitário ao estilo mais arrastadinho do nordeste.

Auto estima

Dança (imagem: Divulgação)

Jazz

Essa dança aparece em diversos formatos. Tem influências do balé clássico, da dança contemporânea e de danças africanas. O Jazz trabalha o corpo inteiro.

Street Dance

Ritmo agitado de origem norte americana, o street dance combina passos de hip hop e jazz. As músicas costumam ser rápidas, com batidas marcadas. A dança trabalha o corpo inteiro.

Tango

Ritmo argentino, considerado um dos estilos mais difíceis da dança de salão, o tango mistura sensualidade e elegância. Possui ritmos variados, desde o lento ao tango eletrônico, e trabalha especialmente as pernas.

Danças que queimam em média 500 calorias

Frevo

Ritmo tipicamente brasileiro, tem influência da capoeira e trabalha braços, pernas, glúteos e quadris em muitos movimentos de agachamento e pequenos saltos.

Salsa

Dança latina, de origem cubana, mexe o corpo inteiro com movimentos intensos e sensuais. Trabalha pernas, braços e quadris.

Danças que queimam em média 600 calorias

Caso você prefira aulas mais intensas, mas com o mesmo seguimento, música, movimento e queimar calorias você têm ainda outras opções como, jump, body pump e step.

Para emagrecer é necessário que a dança seja aliada a uma dieta balanceada. Os princípios partem da alimentação. Recomenda-se consultar um médico especializado para ele orientar a quantidade de calorias que você deve consumir. Para emagrecermos os números de calorias consumidas devem ser menores que calorias gastas.

Faça um Comentário

Leia também esse artigo: